Ode ao contraditório

16.04.2018

Tudo junto e misturado, essa é a ordem da temporada. O hibridismo surge na passarela para nos mostrar – de forma clara, embora com certo simbolismo – o principal movimento da nossa época: valorização do indivíduo e da diversidade, por osmose.

É nessa ordem que talvez a gente consiga entender e harmonizar todas as diferenças. São muitas? Sim, senhor!

Demma Gvasalia sempre foi adepto dessa maneira fluida de lidar com vários arquétipos. Seja à frente da grife parisiense Balenciaga ou no comando da Vetements, brinca de casualizar o luxo.

Desfile Balenciaga inverno 2018/19

 

Alfaiataria ampla com shape ajustado da camisa de gola rolê em cores flúor. Malhas que vão além das mangas, virando luvas, num estilo motociclista, mescladas com sobretudos fabricados em tecidos nobres. O nylon ganhando protagonismo em muitas peças, revivendo os anos 1990; O sintético com a seda pura em lenços e camisas.

Todas essas composições mostram que a temporada francesa de moda esteve em sintonia com a diversidade contemporânea.

 

Tradução nas ruas

 

A principal versão dessa moda híbrida que desceu da passarela para as ruas foi a forma do athleisure: ideia de misturar moda esportiva com as referências street. No guarda-roupas feminino isso se nota em saias de tule e meias finas combinadas com tênis ou os bodys de academia e praia tirando espaço de blusas para contrastar com calças de alfaiataria e capas – a peça fetiche da estação para elas.

Pelas ruas, blazer e calça jogger com tênis: mistura de estilos

 

No masculino a aposta surge em bombers que substituem o blazer e são combinadas com camisa e gravata slim. Essas peças, podem ser feitas em tecidos tecnológicos, neoprene ou cetim de seda, por exemplo. A improbabilidade do material usado, no lugar do tecido comum para a peça, também é um artifício muito usado na hora de trocar o estilo. Ou seja, a peça que é imediatamente identificada como de treino ou esportiva ganha a sofisticação de um tecido fino ou mais nobre.

Observa-se ainda nesse jogo o peso de cada tecido. Os mais leves – normalmente mais caros, por deterem mais tecnologia – ganham espaço. Essa, aliás, é uma ótima referência para ajudar a entender o valor agregado de cada produto. Em loja normalmente se vê que o consumidor credita mais valor os tecidos com mais corpo ou gramatura mais alta, como se ele fosse melhor, mas, na maioria das vezes, é justamente o contrário.

 

Esportivo robusto

 

Indo mais fundo nas evidências, surge o mais evidente esportivo chique da estação: o tênis de larga dimensão. Eles parecem ter saído das quadras do Harlem ou Brookling, são extravagantes em todos os sentidos: cores, tamanho do solado e um perfume old school bem acentuado, direto dos anos 1990.

Por fim, outra extravagância é o preço. Isso porque algumas das principais grifes fizeram a peça entrar para wish list de fashionistas, que arrematam o look de alfaiataria com os pisantes. Louis Vuitton, Valentino e Prada são algumas que mais se importam com a imagem dos seus adictos para muito além da academia.

Triple S da Balenciaga, um dos primeiros parrudos na rua

 

A vertente veio a reboque do oversized. Eles são irreverentes, parrudos e há quem chame até de feios. Um dos modelos mais populares - surgiu logo no início da febre - é o Triple S da Balenciaga. Quem busca entrar na moda gastando um pouco menos, pode apostar sem medo no Air Max da Nike.    

 

 

 

 

Please reload

Destaque

O que comprar em promoção?

08.07.2019

1/6
Please reload

O CRICOFELIX.COM é o site criado pelo jornalista Cristiano Felix sobre tudo o que interessa ao dândi moderno: tecnologia, moda, comportamento, gastronomia etc. As imagens contidas podem ser creditadas ou reproduzidas de fontes externas. Caso você tenha os direitos sobre qualquer imagem publicada aqui e não quiser que ela seja veiculada, entre em contato para que ela seja prontamente removida.  

Categorias:

Comente aqui:

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now