Moda fitness a plenos pulmões

01.07.2016

As semanas de moda de junho sempre nos fazem pensar na próxima estação. Não é apenas sobre o que vestir, mas como a roupa nos cai. E, para isso, o corpo precisa estar em dia. Os mais programados já começam a trabalhar o shape do verão quando junho acaba. Os próximos seis meses serão assim: tudo em seu devido lugar e qualidade de vida!

Desde os primórdios da escolinha do Professor Raimundo, o personagem Paulo Cintura já dizia que “saúde é o que interessa”. Todos nós apostamos e o mercado de confecções despertou para esse mantra. Já não é mais apenas a indústria de cosméticos que tem progressão invejável, mas o segmento fitness também saiu do trote para a corrida. O setor no Brasil movimentou quase R$ 3 bilhões no ano passado, segundo dados divulgados pelo Sebrae. 

Tudo começou com as academias. Elas se espalharam e já existem em todo o país mais de 30 mil. Ou seja, é uma em cada esquina mesmo! Como todo mundo hoje se encontra nesse espaço, ele passou a ser de convivência e a roupa deixa de ser apenas confortável. Tem que mostrar personalidade, valorizar as curvas e músculos.

Por problemas pessoais, sem nenhuma competição, não consigo mais falar/pensar em Mossoró sem lembrar da personagem “Miss Mossoró”, da humorista Heloísa Périssé. É uma PhD em física quântica que quer ser reconhecida por ser “um corpo”, por acreditar que ninguém valoriza o pensar ou põe na parede uma foto de um cérebro, mas um abdômen tanquinho é bem provável que esteja inclusive na sua parede, caro leitor.

“Não me assusta quando eu penso em Hitchcock quando ele diz ‘Um corpo que cai’. Problema do corpo de Hitchcock, o meu não cai porque eu malho e só como grelhados”, esbraveja no monólogo da esquete. Assim leve e de um jeito bricalhão que a moda fitness ganha fôlego. Gente que treina forte ganha o apelido de caveira e uma marca de São Paulo entrou na onda. A KVRA produz muita coisa bacana, procurem.

 “Não fale comigo. Você não sabe quanto ‘no rep’ ouvi hoje”. No quesito frases essa é uma das mais legais que vi numa camiseta. É de uma marca daqui, chamada Funfit, de alguém que treina crossfit no mesmo box que eu. “No rep” é a abreviação de “no repetition” que a gente usa quando o movimento – apesar de cansar do mesmo jeito - não foi válido.

Movimento, talvez seja essa a palavra. Movimento é humor; ranço o descompasso. Movimento é a prática de exercícios, desequilíbrio é parar.

Roupas que mostram humor vêm ganhando espaço, tenho observado. As cores também. Impressões multicoloridas mais ainda! Influências da rua também invadem esse espaço, como os tênis de cano médio que apareceram em todos os lugares. Os skatistas usavam e agora vários caras de academia copiam. As meias até podem ser no meio da canela. Deixaram de ser escondidas e se exibem tanto quanto os saradões no espelho: são estampadas.

Na academia, como na vida, a regra é não ter regras. Tirando aquela camisa de time de futebol – essa continua absolutamente proibida! –, a gente pode usar de um tudo, desde que seja confortável e flexível. Não pode jeans, mas quem gosta da aparência de jeans já encontra no mercado tecidos tecnológicos que dão uma cara street.

O resto vai de gosto. No crossfit é muito comum os caras treinarem com o peito de fora. A gente sua bicas e a camisa termina pregada. Por falta de físico e um bocado de educação, sempre treino de regata. Meus braços e ombros ficam livres, a amplitude é maior.

Depois do treino a gente bate uma foto e publica com a #maisumpraconta ou coisa semelhante. Muitos homens sem camisa estavam aparecendo ao lado das meninas sem frescura com os cabelos despenteados, mas o marido de uma delas resmungou dia desses: “A gente podia tratar com respeito essa questão. Não custa nada se vestir para estar ao lado de uma mulher”, disse num grupo de whatsapp o incomodado. No dia seguinte os caras combinaram de ir todos com calça coladas, tipo legging, aquele tipo que deixa absolutamente tudo marcado, inclusive o que temos no meio das pernas. Já provei esse tipo de calça e afianço: é muito boa mesmo!

A roupa ideal, claro, depende da modalidade esportiva e os tipos diferentes de treino estão pipocando. É importante que um negócio de vestuário acompanhe esse crescimento. A demanda por roupas de compressão, para evitar o desperdício de energia na contração muscular, cresce a olhos vistos, assim como o tecido dry-fit, que não retêm suor. Jaquetas leves, bolsas esportivas para levar tênis e mudas de roupa, além de bermudas e calças de moletom. Essas são algumas peças que mostram  o potencial do mercado.

* Texto orignalmente publicado no Novo

Please reload

Destaque

O que comprar em promoção?

08.07.2019

1/6
Please reload

O CRICOFELIX.COM é o site criado pelo jornalista Cristiano Felix sobre tudo o que interessa ao dândi moderno: tecnologia, moda, comportamento, gastronomia etc. As imagens contidas podem ser creditadas ou reproduzidas de fontes externas. Caso você tenha os direitos sobre qualquer imagem publicada aqui e não quiser que ela seja veiculada, entre em contato para que ela seja prontamente removida.  

Categorias:

Comente aqui:

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now