Vermelho para renascer

09.10.2014

 

A empresária Flávia Flores não gostava da cor até que aprendeu uma nova maneira de se olhar. Vítima de um câncer de mama, encontrou na internet uma ferramenta para lidar com as mudanças no corpo, diminuir dores da quimioterapia e compartilhar informações de moda. Encontrou, claro, seguidores e fãs.

 

Dez dias de lágrimas renderam um rosto deformado. A ira e a incompreensão de descobrir um câncer, isolamento. Foi o que aconteceu com a empresária Flávia Flores, 35, e certamente milhares de mulheres ao redor do mundo, que, como ela, receberam um diagnóstico de câncer da mama, o segundo tipo mais frequente no Brasil, respondendo por 22% dos casos novos a cada ano, segundo o Instituto Nacional de Câncer (INCA).

O que diferencia Flávia de outras, porém, é a forma de reagir. Passado o período de negação e luto, a doença descoberta em outubro do ano passado - relativamente rara de acontecer antes dos 35 anos – se transformou em uma oportunidade de reaprender a utilizar artifícios de moda e beleza.

Depois de procurar referências na internet e sem achar nada que lhe ajudasse a cruzar o tempo de mudanças, ela criou uma fan page num site de relacionamento para dividir o que encontrava pelo caminho em busca de uma nova estética e feminilidade. Acabou se deparando com outras jovens que estão na mesma situação e precisam fazer as pazes com o espelho.

“A mulher tem de ajudar uma a outra e falar: existe um novo estilo de beleza pra gente que está atravessando essa fase. E cada vez mais é uma fase, depois a pessoa se cura. Tem muito câncer curado. Foi genial. Eu acho que muito ajuda muitas mulheres”, disse a atriz Marisa Orth, amiga de Flávia, em um vídeo introdutório sobre o projeto Quimioterapia e Beleza.

“Ao descobrir a gente entra numa espécie de transe, depois chora até achar que não vai mais conseguir voltar ao normal, fica agressiva. Eu dava patada em qualquer um que se aproximasse. A iniciativa de usar a internet era primeiramente compartilhar com meus amigos e familiares a evolução do processo, pra que eles não tivessem mais medo de chegar a mim”, conta, explicando que não esperava tanta notoriedade.

 

 

“A mulher tem de ajudar uma a outra e falar: existe um novo estilo de beleza pra gente que está atravessando essa fase. E cada vez mais é uma fase, depois a pessoa se cura.” Marisa Orth, atriz.

 

Não havia histórico de câncer de mama na família e Flávia costumava fazer auto-exame. Mãe as 15 anos, colocou prótese de silicone nos seios pela primeira vez aos 19, de um tamanho que pouco se fabrica atualmente: 150 ml. “Meus seios sempre foram pequenos e por isso não foi difícil encontrar o tumor. Eu estava no banho, me ensaboando e senti. Na hora da cirurgia para retirada descobri que eram quatro.”

A mastectomia aconteceu nas duas mamas, por indicação médica, e Flávia fez a recomposição imediata dos seios, com novas próteses. Um namorado à época a acompanhou durante a cirurgia e depois sumiu, simplesmente. “Contei logo que recebi o resultado da biopsia e ele me deu força, disse que a primeira mulher dele também teve câncer e está curada. Mas depois da cirurgia ele me deletou do facebook e não atendeu mais meus telefonemas. Vai entender uma pessoa assim! Dia desses eu fui ver e ele está noivo de outra.”

 

 

 “Além de usar minha experiência com a moda na internet, eu quis mostrar a meus amigos e família que não precisavam mais ter medo de chegar em mim, que eu estava conseguindo passar pelo tratamento e me divertindo com minhas perucas.” Flávia Flores, empresária.

 

A página de relacionamentos, no entanto, reservava outra surpresa a jovem. Um antigo amigo comentou que ela havia ficado muito bem com o novo visual de cabeça raspada, mesmo sem saber que era em decorrência da doença. “No início eu recusei as investidas dele porque não queria me machucar novamente. Era mais fácil procurar alguém saudável, que o acompanhasse em tudo. Nem assim ele desistiu de mim e está dando super certo”, conta.

Assim como Flávia, que ingressou no universo da moda aos 13 anos, foi modelo e professora de manequim, trabalhou em loja e como gerente de marketing e comercial de uma marca de roupas, o namorado também é da área. Dirige o comercial de uma empresa do ramo e vive em São Paulo, para onde ela agora sempre viaja, já que durante o tratamento decidiu deixar a maior metrópole do país e voltar para a casa dos pais em Florianópolis.

“Além de usar minha experiência com a moda na internet, eu quis mostrar a meus amigos e família que não precisavam mais ter medo de chegar em mim, que eu estava conseguindo passar pelo tratamento e me divertindo com minhas perucas. Terminou que acabei criando um canal pra me ajudar e ajudar muitas mulheres.”

Alguns dos conselhos passados na página são de outras garotas, que também tiveram suas experiências, como Simone Peluso, que passou por uma quimioterapia do tipo azul. "Quando se faz ‘quimio’, o organismo tem sua imunidade prejudicada. Podem aparecer doenças oportunistas e sensibilidade a cosméticos, alimentação etc. No quesito maquiagem, tente sempre usar as que são minerais, pois são hipoalergênicas. Os hidratantes também podem seguir a mesma linha para pele sensível. E se o cabelo cair, aproveite pra abusar da maquiagem e criar um estilo. O lance é lutar com o que se tem!”

 

 

Moda não é futilidade

 

Figuras muito mais influentes e conhecidas, como as atrizes Patrícia Pillar e Drica Moraes, tiveram a doença e pouco compartilharam suas experiências. Deram apenas algumas entrevistas, ao final do tratamento, falando sobre as dificuldades e o que mudou na percepção de mundo e no sentido do tempo. Quando Flávia Flores iniciou o projeto não havia em quem se mirar. Apenas uma garotinha de 9 anos, que vive nos Estados Unidos, lida com bom humor e não tem receios de se mostrar na rede.

“É difícil julgar porque eu também senti muita vergonha no início. Querer ajudar os outros dessa forma implica em se expor e ninguém quer colocar a carinha pra bater. Muita gente me procura por causa do espírito de superação, mas os homens normalmente não chegam porque eles não precisam de artifícios de beleza, não usam maquiagem e tudo bem se caírem os cabelos. As meninas é que se correspondem mais comigo, me mandam fotos, mas pedem pra não postar. É realmente difícil”, diz, acrescentando que pretende encontrar uma mulher que aceite os riscos de continuar o projeto.

 

Nota atual: Depois dessa reportagem feita em outurbo do ano passado para a revista LivingFor, Flávia Flores lançou o livro "Quimioterapia e Beleza" e o projeto está mais vivo do que nunca.

 

Fotos de Flávia Flores: Renan Rêgo

Foto de Marisa Orth: divulgação

*Matéria publicada na revista LivingFor. Texto e fotos contém direitos autorais.

Tags:

Please reload

Destaque

O que comprar em promoção?

08.07.2019

1/6
Please reload

O CRICOFELIX.COM é o site criado pelo jornalista Cristiano Felix sobre tudo o que interessa ao dândi moderno: tecnologia, moda, comportamento, gastronomia etc. As imagens contidas podem ser creditadas ou reproduzidas de fontes externas. Caso você tenha os direitos sobre qualquer imagem publicada aqui e não quiser que ela seja veiculada, entre em contato para que ela seja prontamente removida.  

Categorias:

Comente aqui:

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now