Uma rapidinha com Fernanda Young

23.07.2014

 

Quando uma mulher é capaz de citar Mário Quintana e falar de sexo numa mesma conversa, não duvide: ela pode fazer e forjar o que quiser. Fernanda Young é assim mesmo quando dá uma rapidinha.

 

 

Coque no cabelo, vestido de poá cobrindo os braços e na altura dos joelhos. Poucas tatuagens ficaram aparentes. A tez parecia mais natural que de costume. Maquiagem discreta, olho levemente delineado e a boca de um alaranjado quase rubro. A cor nos lábios era o único rastro da Fernanda Young que havia visto em programas de televisão.

Fui certo de ter um encontro com uma mulher que exalava sensualidade de contornos fetichistas, marcada por cintura apertada em um corselete. Ao ver que não, questionei de pronto, arrancando um sorriso que fez aparecer o piercing que sustenta no freno da boca. A argola surgiu sobre os dentes quando ela falou: “acho que engordei um pouco”. Eu estava preparado para uma rapidinha e depois vê-la posar para fotos. Ela despreocupada do tempo passar e servida de sushi e cerveja no camarim.

Aos 42 anos, Fernanda Young pode ser lasciva ou não. Partir para a gargalhada, ironia ou incontestável irritação. Pode escolher, enfim. E escolhe a personagem que lhe deixa estereotipada sem transparecer qualquer rusga. “Eu me preocupo muito com a apresentação, com a estética que eu imprimo no meu trabalho. Na hora de aparecer para o meu público, nos programas que vou, gosto de estar montada. Mas na minha intimidade eu sou muito simples.”

Um parênteses para dizer que essa entrevista aconteceu num período de agenda profissional intensa para Fernanda. Com os roteiros de “Como aproveitar o fim do mundo” indo ao ar pela Rede Globo e percorrendo o país para divulgar seu segundo livro pela editora Rocco, “A louca debaixo dos bancos”, ela reclama da falta de tempo para algumas delicadezas, como fazer as unhas. “Não repare muito, mas realmente não deu pra fazer antes de vir.”

 

 

Mãe de quatro filhos, casada com o também escritor e roteirista, Alexandre Machado, Fernanda desbravou nos idos dos anos 1994 um novo e promissor mercado de trabalho: escrever roteiros para televisão, numa época em que só havia autores de novela. E ela fazia humor. Um humor sem medo de ser picante, sem tantos pudores, sempre com temáticas sexuais, sempre vistas com liberdade pelo universo feminino. Embora pareça, ela desconversa sobre sua aparente obsessão artística.

“O que eu acho é que nós brasileiros temos uma grande sorte. Nós temos uma inteligência calcada na liberdade que é incrível. A gente pode ser muito risível através de uma sexualidade popular. Enfim, eu tenho minhas opiniões quanto a alguns hábitos musicais, ritmos e como se utiliza a liberdade, mas mesmo essas coisas que a mim me parecem risíveis, eu reconheço que são uma comunicação de liberdade. Acho que somos uma país dado a inteligência porque somos livres. Não tenho muitos problemas, nunca tive. Sei que a liberdade requer responsabilidade”, dispara.

Fernanda Young tem um estilo escorreito – assim mesmo se autoavalia -, que privilegia o fluxo do raciocínio, sem tantas digressões. Talvez algumas bem pontuadas haja em certos momentos. Por isso mesmo atrai um público jovem e suas naturais inquietações sobre o sexo, drogas e outras fugas. 

“Os jovens perguntam muito sobre drogas e eu sou muito honesta em dizer que não as uso e, claro, já usei algumas. Não uso há muitos anos, não faz parte da minha vida manipular a realidade dessa forma inútil. Cigarro é outro assunto que eu gosto de falar porque eu fumei durante 21 anos e de fato foi a coisa estúpida que eu usei por mais tempo, de todas as bobagens cometidas. As resposta pra eles é muito menos tímida que saber que meus filhos vão começar a saber de realidades que ainda não questionam. Mas eu devo ser honesta com eles também.”

 

“Não uso (drogas) há muitos anos, não faz parte da minha vida manipular a realidade dessa forma inútil.”

 

Fernanda é letrada na escola da vida. Interrompeu os estudos no ensino fundamental, concluiu o médio por meio de supletivo e chegou a estudar letras, jornalismo e rádio e televisão, mesmo sem terminar nenhum dos três cursos. Escrevendo parece mais verborrágica que com as palavras ditas, embora fale com a fluidez de quem não precisa procurar termos interessantes nos arcabouços da memória.

“Nunca me senti tolhida na minha expressão artística. Tem intenções, é certo. A Globo quer fazer sucesso e quer algo que muitas pessoas entendam, sem popularizar, sem paternalismo, sem usar de métodos que eu não considero razoáveis dentro da minha estética de humor, mas há hipóteses. Nunca é algo repressivo”, conta.

A atividade literária é ainda mais livre. “Eu tenho total liberdade criativa e ninguém pode fazer o contrário. Em televisão eu tenho de me render a algumas regras e eu tenho de me concentrar no público. Mas em literatura ninguém pode medir absolutamente nada porque o que eu preciso é escrever. Publicar é uma boa e uma grande sorte, sou e me sinto agraciada de ter o meu verbo exposto, mas não é o primordial. O primeiro é apenas sobreviver.”

Na sua atual editora, a Rocco, a terceira da carreira, depois de Objetiva e Ediouro, uma grata surpresa: todos os outros dez títulos, incluindo “O Pau”, de 2009, estão sendo reeditados. “É muito bom porque leitores atuais, que em 1996 não tinham idade para ler meus livros, agora podem ter essa oportunidade.”

 

 

“Na hora de aparecer para o meu público, nos programas que vou, gosto de estar montada. Mas na minha intimidade eu sou muito simples.”

 

Fernanda quer dar o que recebe. A mesma oportunidade de espaço. Essa mulher que antes de ver seus romances publicados tira fotocópias dos textos para “coisificar” – termo usado numa alusão ao poeta Manoel de Barros -, alegando que “ver de cima traz alivio”,  faz planos de criar um selo com a Rocco ou com uma editora mais singela para publicar a palavra de autores não apenas de literatura, mas de artes plásticas e até de grupos de terapias. De gente que, como ela diz, “se comunica para  sobreviver a uma confusão emocional”.

“Tenho tido acesso a alguns desses grupos que são bastante curiosos na expressão do verbo e da cultura. E são pessoas que se expressam por necessidade de sobrevivência ao afogamento”, diz, lembrando o poema “Emergência”, de Mário Quintana:

 

“Quem faz um poema abre uma janela.

Respira, tu que estás numa cela abafada,

esse ar que entra por ela.

Por isso é que os poemas têm ritmo

- para que possas profundamente respirar.

 

Quem faz um poema salva um afogado.”

 

Generosidade de uma mulher em dúvida se gosta mais de entrevistar ou ser entrevistada, mas que se posta bem nas duas situações. “Gosto muito de entrevistar, mas não posso entrevistar todo mundo porque não sou jornalista. Então, se a figura não me interessa, fico empacada. Mas eu me interesso por muito tipo de gente e não precisa ser famoso. Só precisa ser honesto ou maluco. Eu não gosto de quem simula tipos. Sou bastante curiosa. E gosto de dar entrevista, contanto que elas sejam boas, mas eu sou muito profissional a respeito disso também.”

É por essa leve abertura que eu, modesto datilógrafo, ouso a pergunta que nunca fiz: Foi bom pra você? 

 

 

Texto: Cristiano Felix

Fotos: Ramón Vasconcelos

* Texto originalmente publicado na revista LivingFor

Please reload

Destaque

O que comprar em promoção?

08.07.2019

1/6
Please reload

O CRICOFELIX.COM é o site criado pelo jornalista Cristiano Felix sobre tudo o que interessa ao dândi moderno: tecnologia, moda, comportamento, gastronomia etc. As imagens contidas podem ser creditadas ou reproduzidas de fontes externas. Caso você tenha os direitos sobre qualquer imagem publicada aqui e não quiser que ela seja veiculada, entre em contato para que ela seja prontamente removida.  

Categorias:

Comente aqui:

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now